quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

O que foi fato

Alguma vez você já fez o exercício de rebobinar a fita e lembrar das coisas que, mesmo dando errado, foram fundamentais para tudo o que você fez em seguida? Não? Bom, é... Eu também não. Mas resolvi tentar pela primeira vez hoje e vamos ver no que vai dar!


Pra iniciar, nada poderia ser mais marcante: meu transporte movida a pedaladas. Depois da feliz notícia de minha remoção e após verificar que a distância entre o local e minha casa não era das maiores, tomei a decisão de adquirir uma boa bike para me locomover de maneira limpa e saudável. Investi pesado, mas não me arrependi! A bike aguentou o tranco o ano todo, mostrou-se muito confortável e eficiente e só não foi usada sempre por causa das chuvas torrenciais do ano passado... Já fiz a nota mental de comprar paralamas. Nunca me esqueço da cara de interrogação dos alunos quando me viram chegando de bicicleta:
- Fessor, mas você não tem um carro, não?
- Eu até tenho, mas prefiro vir de bicicleta!
- Eita... Então deixa eu dar um rolê com ela?
- Nem pensar!
- Dá uma empinada pra gente ver!
- Até parece...

Depois, aquelas aulas do começo do ano em que tive de enrolá-los o máximo possível para fazer chegar a autorização de usar a quadra do Singular. No primeiro dia, apresentações. No segundo dia, uma conversa sobre o que eles já haviam visto nas aulas de Educação Física. No terceiro dia, apresentação dos conteúdos do ano todo. No quarto dia, introdução aos temas do bimestre. Chegou a quinta aula e eu já estava sem argumento: vamos ao pátio e damos um jeito, não é? Fracasso... Mas a partir da outra semana, tudo mudou e fomos felizes ao sair pelo portão da escola e atravessar a rua em direção ao Singular. Mesmo com o sol quente, as chuvas, o frio, os carros em alta velocidade, os alunos que ficaram para trás na escola e também no Singular, na hora de voltar.

E os materiais arremessados por cima da grade e caindo no vizinho... Obviamente, sem querer, querendo. Bambolês foram uns três ou quatro, duas bolas de meia, uma de vôlei que o cachorro furou, duas bolinhas de borracha muito boas para jogar betes. Quanto a danos e prejuízos, perdi as contas das cordas desfiadas, das bolas de vôlei e basquete chutadas, dos tacos quebrados, dos bambolês consertados com fita adesiva, das caixas de papelão usadas para transporte de material que foram rasgadas e arrebentadas e as boladas que eu levei em todas as partes do corpo. Nem doeram mesmo...
Das minhas trapalhadas é fácil contar. Começa com coisas inocentes como esquecer o diário de classe, o giz ou algum material na sala dos professores... Depois, passei pelo estágio de confundir os nomes dos alunos, nada mais natural e perdoável. Teve uma vez que rasguei minha calça na grade do pátio, justo quando eu daria aula o dia todo... No final do 1° semestre, lá estava dando aula na sala de informática, fui me aproximar para indicar o que fazer com o mouse e os alunos descobriram que eu tinha uma entrada de ar na camiseta, localizada próxima à axila. Isso que dá ir trabalhar com roupa surrada... Ah, sim, no quesito vestuário eu tive outras como os tênis furados e rasgados que meus alunos não aceitavam:
- Professor, seu tênis está rasgado!
- Eu sei, é assim mesmo, qual o problema?
- Se chover, seu pé vai ficar molhado. E tá feio assim!


Sem falar nas estripulias que eu precisava demonstrar e estava exposto a quedas súbitas de coisas dos bolsos, elásticos de cuecas aparecendo, tropeções em pés de alunos, boladas em alunos, encontrões e as frequentes más execuções de atividades que, mesmo com ensaios milimetricamente calculados, eu nunca acertava e sempre dava a desculpa de que era só para demonstrar como fazer. Que droga, eu sempre quero acertar!!!!

Ahh, o ano foi bom demais... Não vou falar de estresses, preocupações, correrias e broncas. Vou lembrar com saudade de mais um ano em que aprendi mais sobre ser professor.

5 comentários:

  1. Esse é o Guilherme que eu conheço.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Fritas (acho que sou o único que ainda te chama assim)!
    Cara, parabéns pelo blog, pq eu nunca tinha conseguido ler uma postagem completa em qualquer blog, sempre perdia a paciência na metade, mas olha, li essa postagem e me diverti, vc parece mesmo levar jeito pra coisa ^^
    Abraços o/

    ResponderExcluir

Ficarei feliz em ler sua opinião, seu comentário ou sua reclamação a respeito do meu post! Responderei assim que for possível e aqui mesmo nos comentários. Obrigado por participar e ajudar a construir a LUDocência!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...